50 tons de militância

mlk-mx
Percebo que todo mundo tem andado muito preto-no-branco quando se trata da militância política. A ânsia por se posicionar logo e “da maneira correta” (o que quer que isso queira dizer) acaba produzindo aberrações, como aquelas vistas nas últimas semanas quando o coletivo Fora do Eixo de tornou objeto de debate público.

A seção “Opinião” da Folha de São Paulo apresentou ontem e hoje (16 e 17/08) o posicionamento de dois jornalistas sobre a Mídia Ninja e o coletivo Fora do Eixo, autor do projeto. Quer dizer. Mais ou menos. Deveriam ser, pelo que parece, textos sobre a MN. Nenhum deles conseguia analisá-la enquanto um projeto, porém. Ambos carregam nas entrelinhas (e às vezes nas linhas também) a polarização que se deu na opinião pública desde o programa Roda Viva (05/08) que entrevistou Bruno Torturra e Pablo Capilé, apresentados como coordenadores do projeto e membros do coletivo Fora do Eixo.

Essa polarização, porém, pouco tem a ver com a Mídia Ninja, ao que tudo indica. A questão que dividiu a opinião pública, destruiu famílias e acabou com amizades é outra: o coletivo Fora do Eixo presta ou não presta?

Continuar lendo 50 tons de militância

Nascer a primavera para não morrer

O lado lindo da instabilidade política é, afinal de contas, a fome de quem acabou de acordar.

Há quem esteja indignado com o nível de despolitização dos protestos em todos os locais do Brasil. No entanto, nada mais natural do que um protesto despolitizado se é a primeira vez que tanta gente vai às ruas. Se somos produto, enquanto nação, de uma história que tem sistematicamente afastado a população da política.

Ir às ruas, porém, é um fato político. Mesmo de maneira despolitizada, ir às ruas politiza. Dá experiência. Aproxima. A vivência da política nas ruas, somada às discussões na internet, lembra os recém-despertos que eles não precisam voltar a dormir mas que, se não ficarem de olhos bem abertos, a bem da verdade estarão sonâmbulos.

Este é um post, mais que de esquerda, muito otimista. Apesar dos pesares. Meu otimismo momentâneo vem da beleza de algumas mensagens que recebi nessa semana. Sem identificar remetentes, compartilho com vocês algumas coisas das mais belas que já li e em seguida respondo como posso ao anseio de politização que tem tomado conta de tantos brasileiros e de tantas brasileiras.

São as flores que começam a povoar essa nossa primavera. Continuar lendo Nascer a primavera para não morrer