segundo exercício

planejo sobreviver com tempo.
mentira. sem tempo
sou o isso que planejo:

filosofar nos minutos de intervalo
entre a cama, o banheiro, o trabalho
namorar personagens, enredos, roteiro
quarto fechado, chorar no chuveiro
(degustar aquela siririca)
mas não só vejo o isso que planejo

vislumbro um tododia sem rotina
sem Dickinson presa em casa
sem Mrs Dalloway barganhando flores
sem Plath implorando pelo gás pelo
simples motivo de mulher-e-casa-:-
que-combinação-
insuportável

espero me deitar sobre as grandes coisas do mundo
sobre guerras e revoluções
sobre exércitos, cartas trocadas, amantes
descobertas sexuais infantes, distopias sérias
a mim resta cobrar de minha era
espiões russos imigrantes poloneses
uma gueixa no Japão
máquinas do tempo demônios espíritos
poetas

a mim sobrei eu mesma
e a minha era, ela mesma
e a minha cabeça, ela mesma
e o meu medo de acordar louca
o que planejo é morrer
outra

uma história emocionante
sem suicídio
ao final.


 

daí que a ana erre, amiga, ídala e poeta, está propondo exercícios de produção literária a cada sexta-feira. no primeiro, deveríamos pensar como desejamos escrever. daí que escrevi este poema. no segundo, a ideia era pegar o primeiro texto e substituir todos os verbos. falhei, como podem ver. mas até que deu. e como é difícil. no fim não gostei do poema, mas talvez já não gostasse dele antes. vai saber.

Deixe uma resposta