léu

são ondas e timbres
graves que lambendo recobrem-te
do topo
à base

são lufadas
e furacões
são olhos
fundos
escuros contínuos
vácuos
surdos
são galáxias
constelações

enfrentam-se em batalhas touros
e escorpiões
por teus universos
sem sóis

teus cabelos não têm
caracóis

o beijo

o-beijo

queria tua sombra cativa
a boca saliva
o gosto de sal
memória olfativa

meu bem
és quem,
carnaval?

queria te ouvir que
me inventa samba
antes de dormir
vendada
mesmo deitada
minha perna bamba
(até a sexta
santa)

e no caminho do passeio ao farol
libertar sereia de anzol:

dizer que te quero em espanhol
beijar como Klimt sob o lençol